alimentos que fazem mal

4 alimentos que fazem mal à saúde

A boa alimentação não consiste em fazer dietas rigorosas e abstenção de vários tipos de alimentos. No entanto há certos alimentos que fazem mal à saúde, sendo extremamente prejudiciais ao organismo.

Por isso, mostraremos neste artigo 4 alimentos que fazem mal à saúde e estão na lista dos mais amados por boa parte das pessoas. Acompanhe a leitura!

1. Sorvete

Sorvete é um dos alimentos mais deliciosos do planeta. Poucas pessoas dizem não gostar dessa delícia gelada. Infelizmente, ele também é um dos alimentos que fazem mal à saúde. O sorvete é carregado de açúcar.

Sorvete também é rico em calorias, e é muito fácil comer quantidades excessivas. A gordura e o açúcar juntos forma uma mistura de agressiva que só vai adicionar peso e complicações à saúde.

Comê-lo como sobremesa é ainda pior, pois, você estará adicionando mais calorias em cima de tudo o que já foi consumido no almoço ou jantar.

Porém, para que ama sorvete é possível fazer o seu próprio usando ingredientes mais saudáveis ​​e significativamente menos (ou nenhum) açúcar.

2. Carne processada

A carne processada não é nem de longe similar a carne fresca. O consumo de carnes está entre os hábitos saudáveis, porém, a carne processada se torna um vilão na dieta. Ingerir este alimento aumenta o risco de doenças graves como diabetes tipo 2, câncer de cólon e doenças cardíacas.

Dá pra perceber o quanto esse alimento é nocivo. O consumo de carne é saudável, porém torna-se um veneno a partir do seu processamento.

3. Iogurte com baixo teor de gordura

Infelizmente, a maioria dos iogurtes encontrados nas prateleiras de supermercados e mercearias faz muito mal à saúde. Eles são frequentemente baixos em gordura, mas carregados com açúcar para compensar a falta de gosto que as gorduras adicionam.

Simplificando, o iogurte removeu as gorduras lácteas saudáveis ​​e naturais, apenas para ser substituído por algo pior, o açúcar.

Além disso, muitos iogurtes não contêm as bactérias probióticas, como geralmente se acredita. Eles costumam ser pasteurizados após a fermentação, o que mata todas as bactérias.

Para fazer uma boa substituição escolha o iogurte normal, com gordura mesmo, que contenha culturas vivas ou ativas (que são os probióticos). Se conseguir achar, escolha iogurtes naturais de vacas alimentadas com pasto.

4. Batata frita

Quem não ama batatas? É um alimento saudável e que deve ser consumido. No entanto, tudo muda de figura quando as deliciosas e nutritivas batatas, se transformam nas deliciosas e prejudiciais batatas fritas.

Estes alimentos são muito ricos em calorias e também são fáceis de se consumir em quantidades excessivas. Nem é preciso comentar que o seu consumo excessivo está intimamente relacionado ao aumento de peso.

Esses alimentos também podem conter grandes quantidades de acrilamidas, substâncias cancerígenas que se formam quando as batatas passam pelo processo de fritura. O óleo em altas temperaturas em nada contribui para o enriquecimento de nenhum alimento. Para um melhor consumo das batatas, escolha comer as cozidas e não fritas.

Agora que você já conhece um pouco sobre alguns alimentos que fazem mal à saúde, já pode moderar seu consumo e optar por escolhas mais saudáveis.

E se você conhece alguém que gostaria de saber mais sobre esse assunto, compartilhe esse artigo em suas redes sociais!


criança-com-fome

Crianças com fome: como ajudar?

Crianças com fome é um tema que sempre mobiliza as pessoas. Afinal, é importante falarmos sobre essa situação, já que a pobreza extrema, infelizmente, acomete vários países.

Muitos acreditam que o problema é distante da nossa realidade, mas a verdade é que nesse momento existem muitas crianças e jovens passando fome nas cidades brasileiras. Mas você sabia que sua ajuda pode modificar essa realidade? Leia este conteúdo e descubra como!

Crianças com fome: números sobre a situação no mundo e no Brasil

O relatório “A Súplica pela Fome” divulgado pela Oxfam, uma confederação presente em mais de 100 países, mostrou que, em 2017, cerca de 815 milhões de pessoas passavam fome em todo o mundo.

A situação mais crítica estava presente nos países envolvidos em confrontos armados, como o Iêmen, a África Oriental e a Nigéria.

A Unicef, também em 2017, divulgou um alerta sobre a fome na África, especialmente na Somália, Nigéria, Sudão do Sul e Iêmen. De acordo com os dados apresentados, quase 1,4 milhão de crianças estavam em situação de morte iminente devido à desnutrição aguda.

No Brasil, infelizmente, a situação não é diferente. Um levantamento feito pela Fundação Abrinq mostrou que, em 2015, um pouco mais de 40% da nossa população entre 0 a 14 anos vivia em situação de pobreza.

Os piores cenários foram registrados no Norte e Nordeste, ainda de acordo com a mesma pesquisa, com números de 54% e 60% de jovens nesta situação, respectivamente.

Mas até regiões consideradas mais desenvolvidas sofrem com o problema. O sudeste contava com um percentual de 27,8%, o Sul de 23,1% e o Centro Oeste de 28,4%.

Para o estudo foram consideradas as famílias que viviam com uma renda igual ou menor que meio salário mínimo por pessoa, em torno de R$ 394 (considerando o valor do salário mínimo para a época).

Se formos usar números absolutos, temos quase 8 milhões de crianças e jovens passando fome no Nordeste, 4,5 milhões no sudeste e pouco mais de 2,5 milhões no Norte.

Como ajudar as crianças com fome?

Mudar esse cenário não é fácil, já que muito precisa ser feito pelo poder público dos países que sofrem com a situação. Reduzir as desigualdades, por exemplo, é o primeiro passo – principalmente no nosso país.

Mas, isso não significa que nós, como cidadãos, não podemos ajudar. As organizações sociais são o caminho mais rápido para que essa situação seja, ao menos, amenizada.

Hoje existem muitas instituições sérias que trabalham com diversos programas e frentes para modificar a situação da crianças com fome. O apadrinhamento é uma dessas possibilidades.

Por meio dele, cada doador se compromete a repassar uma quantia mínima por mês para fomentar melhores condições de vida a criança que escolher apadrinhar. Além da doação, quem desejar, poderá se corresponder com o afilhado, entendendo como a sua contribuição realmente tem modificado essa vida.

No Brasil, também existem organizações sérias que trabalham com esse sistema de apadrinhamento, principalmente com crianças das regiões mais pobres do nosso país.

Mas é sempre importante pesquisar muito bem antes de fazer a sua doação. Buscando compreender como esses recursos são investidos, quais projetos são realizados, como é a transparência da ONG e assim por diante. Garantindo que a sua doação realmente será revertida em ações para ajudar a reduzir a fome.

Como você viu, crianças com fome ainda é, infelizmente, uma realidade comum em vários países, inclusive no Brasil. E para mudar essa situação cada um de nós pode ajudar. Se você gostou deste conteúdo, compartilhe o nosso post em suas redes sociais e ajude a mobilizar os seus amigos para essa causa tão importante.